The first time that some relative went to live in the USA.

Oi meninas!

Falta exatamente um mês pro meu embarque. Estou correndo atrás dos presentes, tem alguns kits embratur chegando, e tenho ganhado alguns presentes, mas eu só vou falar sobre isso mais pra frente, pra passar o máximo de informações possíveis pra vocês.

Este post é mais pessoal, mais uma reflexão. Hoje eu me percebi que talvez minha história de  ir pros EUA tenha começado muito antes do que eu percebi. Isso porque eu não sou a primeira pessoa da minha família a se aventurar em terras estrangeiras. 

Hoje foi o almoço de encerramento do semestre lá na escola aonde eu fui voluntária. Foi super legal, tirei foto com todo mundo e ganhei dois presentes. A escola me deu uma sapatilha linda, cinco minutos depois de eu falar pra uma estagiária que eu ia levar minhas sapatilhas pros States porque eu amo sapatilha! rs E ganhei um presente lindo da professora da sala que eu ficava. Ela disse que queria me dar algo que lembrasse o Brasil, então ela me deu uma corrente com um pingente de Nossa Senhora. Aparecida. Não sou uma pessoa muito religiosa, do tipo que vai todo sábado na missa, mas eu gosto MUITO de Nossa Senhora Aparecida. Claro que quando ela me deu o presente e me abraçou eu chorei né? rs 

Essa despedida me fez lembrar da minha prima Rosana, que em 1996 foi morar em Boston. Algum tempo antes dela ir, ela meio que morava metade da semana na minha casa, porque era mais perto de um dos serviços dela. Lembro que eu queria ver Chaves e ela queria ver jornal, e lembro que ela tinha um namorado tão bonito que eu achava que ele só podia ser um príncipe(rs). 

Eu tinha 7 anos e ela uns 25 quando ela foi embora. Se não me falha a memória, ela saiu de Jundiaí (aonde nós morávamos) no final da tarde, porque o voo dela era a noite. Estava todo mundo na casa da minha tia para se despedir. Eu chorei MUITO, porque eu queria ir com eles até São Paulo e meus pais não deixaram, já que eles voltariam tarde e eu morava bem longe da minha tia. Mas ela fez meu pai prometer que eu iria busca-la quando ela voltasse, não importava a hora.

Nesse ano eu me mudei pra Mococa. Ela mandava cartas e fotos pra gente, a internet estava só começando nessa época. Lembro da foto dela na Disney e de uma com ela atolada até o joelho na neve. Ela ficou um ano lá, foi como estudante, trabalhou...

Como prometido, quando ela voltou me levaram até o aeroporto. Eu não lembro quem foi, como eu fui, se meu pai e minha mãe foram comigo. Eu lembro que a gente chegou cedo e ficou rodando o aeroporto pra ver algum avião. Quando chegou a hora aproximada da chegada dela nós fomos pro portão de desembarque...e eu lembro muito bem que demorou DEMAIS pra ela sair!!! Saiu meio mundo e nem sinal da minha prima! Lembro da angústia de ficar olhando pra uma porta que abria e fechava mil vezes, mas nem sinal da minha prima. A gente falava que era a porta da esperança.
E por fim, lembro de quando ela chegou. Lembro do sorriso dela quando ela saiu por aquela porta e viu a gente. Minha tia, mãe dela, não sabia se ria ou se chorava. Eu, que desde pequena choro por tudo, chorei muito também, mas foi um choro diferente. Foi de uma felicidade tão pura, tão grande, tão emocionante. Só de lembrar eu me emociono.

Depois da entrevista do visto eu estava na minha tia em SP e por um acaso ela ligou lá. Ela super me incentivou a ir, falou que ia ser muito bom, me desejou boa sorte...

Fico aqui me perguntando se não foi ela que me botou essa ideia na cabeça, mesmo sem querer e sem nem eu perceber. Eu lembro como eu falava dela com orgulho, que eu tinha uma prima morando nos Estados Unidos. 
Talvez eu queira um pouco disso, q que esperem ansiosamente minha volta como eu esperei a dela e que as pessoas se orgulhem de mim pela minha coragem. Eu quero estar do outro lado da porta, eu quero dar aquele sorriso mais lindo que ela deu e que eu não esqueço nem 17 anos depois.

Rose, obrigada pelo exemplo e pela inspiração. Eu amo você! 

The First Time that I got interested in Namaria's Show.

Oi gente!

Tudo bem por aí? (pausa para resposta)
Por aqui tudo tranquilo. Pois é, tranquilo! Estou vivendo um dia de cada vez, me organizando, fazendo as coisas que tenho que fazer com calma...acho que vai dar tempo de fazer tudo! rs
Na semana anterior a minha viagem pra SP pro visto, o Mais Você exibiu uma matéria beeeeem legal sobre os problemas com malas nos aeroportos. Não, eu não vi, claro! hahahaha Mas minha tia que assiste todos os programas de TV do mundo ao mesmo tempo (Beijo tia Maricotinha!) viu e me ligou pra eu caçar na internet pra ver. Não é que a matéria foi mesmo interessante?

No final do post vou colocar os links dos vídeos e eu acho ALTAMENTE RECOMENDÁVEL todo mundo que viaja de avião assistir. Mas vou resumir a história pra quem não conseguir ver o vídeo.

Um ex funcionário de cia. área relata que nos períodos entre você despachar sua mala e ela ir pro avião, e sua mala sair do avião e chegar até você novamente, os funcionários que fazem esse manuseio das bagagens as roubam. 
O que mais me impressionou é que não adianta você colocar qualquer tipo de cadeado. O que eles fazem pra abrir a mala é enfiar a ponta de uma caneta nos dentinhos do zíper (sabia que na verdade chama fecho éclair?), como se o zíper tivesse quebrado, sabe? Os fechos do zíper que estão com o cadeado não são abertos, depois eles só os passam pela parte que foi aberta. Deu pra entender? É como quando um zíper está com problema e uma parte fica aberta, e a gente vai e volta com o fecho até fechar. Então não adianta nada você travar os dois fechos juntos, porque ainda assim eles podem se movimentar, fechar a mala novamente e você não percebe que mexeram na sua mala.
E é aí que está o problema. As pessoas só vão perceber que a mala foi roubada quando chegam em casa, porque quando ela pega a mala tudo parece perfeitamente normal.

A primeira dica então é comprar malas com esse dispositivo de segurança: 

Com esse tipo de zíper, se alguém abrir sua mala abrindo com uma caneta parte do zíper, não vai conseguir fechar de novo, porque pra mexer nos fechos só tendo o código. 
Outra dica foi embalar a mala naqueles plásticos. Se você não quiser pagar no aeroporto pra fazerem isso, faça em casa com aqueles rolos. Fazendo isso fica mais fácil notar se alguém mexeu na sua mala e o cara pensa duas vezes antes de escolher sua mala pra abrir. Como eles tem pouco tempo pra roubarem as bagagens e não podem ficar dando bandeira, é melhor escolher uma mala sem plástico do que escolher uma com plástico, rasgar o plástico, abrir o zíper...

Outra coisa que ele manda fazer é comprar mala colorida ou deixar sua mala preta chamativa. Hoje as malas coloridas são mais frequentes, mas as pretas ainda são maioria esmagadora! As malas coloridas ajudam a gente a enxergar se alguém pegar nossa mala e fica mais difícil alguém pegar por engano. Se a sua mala é preta básica não precisa comprar tinta não! É só comprar fitinhas coloridas e amarrar nos puxadores, no carinho, no zíper...Quanto mais fitinha melhor! Além do que facilita muito você mesma a identificar sua mala na esteira né?
Minha médica foi pra Turquia recentemente. Passear, não traficada. E ela contou que na volta estava rolando uma master operação na alfandega. Resultado: acumularam as pessoas e bagagens de dois voos. Segundo ela, não tinha espaço e as malas começaram a cair das esteiras, serem jogadas e chutadas pro chão...um caos! E era um monte de mala preta! 
A dela e a do marido ela encheu de fitas. Todo mundo fica zuando a cara dela quando ela viaja, mas ela acha a mala dela lá de cima do balão! rs E o coitado do marido também, com a mala cheia de fita rosa, laranja, verde hahahha

Mais um assunto da matéria é o extravio das bagagens. Eu sempre soube que você deve levar na bagagem de mão algumas poucas trocas pro caso de sua bagagem ser extraviada e demorar algum tempo pra chegar até você. Mas outra coisa interessante que uma mulher falou é que ela não leva mais em viagens as coisas que ela mais gosta, porque uma vez a bagagem dela foi mandada para a Nárnia, nunca mais voltou, e ela ficou sem várias roupas e sapatos preferidos. 
No caso da gente que está indo pra morar, não tem muita escapatória. 
Como eu estava em São Paulo mesmo, comprei minhas malas lá. Fui na 25 de março e na região da praça da Sé. Comprei nas Lojas Nelson, uma rede que tem várias lojas ali no centro. Comprei uma grande e uma de mão, as duas de carinho e com extensor, vermelhas, com o dispositivo de segurança da foto, por R$ 218. Na internet você encontra conjuntos de 3 malas um pouco mais caros e um pouco mais baratos, só que sem ter o tal cadeado ou extensor. Como mala é uma coisa que eu gosto de ver, de testar tudo...fiquei com medo de comprar pela net, vir com defeito e eu não ter tempo pra trocar. 

Meu plano é levar só essas duas malas mesmo, mas se não couber eu levo mais uma pequena. Quando eu começar a arrumar as malas eu conto pra vocês ;)

Seguem os links então;





The First PPD Test

Olá pessoas!

Antes de mais nada, eu preciso agradecer os comentários lindos nos últimos dois posts. Eu tentei responder pelo gmail, algumas pessoas receberam, outras não, então vou agradecer aqui: Paula, Amanda, Joane, Duda, Realidade Auperiana e Mari Mello, muito obrigada pela torcida, pelo apoio, pelo carinho e por serem tão compreensivas.  Foi realmente difícil guardar segredo de vocês, mas todas entenderam meus motivos. Vocês são lindaaaas!
Outra coisa é que com todos esses comentários eu fiquei realmente incomodada por não conseguir responder aos comentários no blog, estava me sentindo muto sem educação, já que pelo gmail algumas de vocês não recebiam Eu já tinha tentado uma vez adicionar o "Responder" e não tinha dado certo. Aí quando a Duda deixou aquele comment-post eu me senti na obrigação de arrumar isso! Procurei na net, achei vários tutoriais diferentes e fui testando até dar certo. Então agora o blog tem o "Responder"!!! ÊêêêÊê! 

Mas vamos ao assunto do post: PPD. Bom, eu sei que tem mil blogs contando sobre isso, mas quero deixar o blog o mais completo possível e também passar as minhas impressões pra vocês.
O PPD é o teste pra ver se aquela nossa tosse de cachorro magro não é tuberculose. É requisito do programa a gente fazer esse teste, mas eles só pedem depois do match. 

Eu achava que como a gente toma vacina pra tuberculose que o resultado sempre daria um "pequeno" positivo, já que a vacina é uma dose mais leve ou inativa da doença, pro corpo aprender a se defender. Engano meu, a enfermeira disse que alguns dão totalmente negativo.
Eu achava que quem toma a vacina tá imunizado para sempre, então não fazia sentido me testar. PÉÉÉÉÉÉ. Errado de novo. Se a gente tiver com a imunidade baixa pode sim ter tuberculose.
Muita gente acha que tuberculose é coisa do passado e ninguém morre mais disso. Isso eu sempre soube que é mentira. Tenho duas primas enfermeiras, que trabalharam em postos de saúde de regiões bem pobres de Florianópolis, que sempre falaram que Tuberculose mata sim muita gente. Moradores de rua, pessoas quem tem HIV...ou seja, a tuberculose no Brasil hoje está bastante ligada a classe social. 

Eu fiz o PPD no posto de saúde da minha cidade, sem requerimento de médico, só expliquei que ia viajar e que ia precisar do exame. 
É muito simples, eles injetam o PPD no nosso braço e fica uma bolinha como se fosse uma picada de pernilongo, que vai sumindo. Se virar um caroço grande é porque você tem tuberculose. Pode ser que coce um pouco, mas o meu não coçou não.

Quem foi me levar foi o meu primo Toni, que ficou me aterrorizando dizendo que ia doer. Na hora da enfermeira aplicar o negócio, a cara de sádico dele foi a melhor: 

A enfermeira pedindo licença pra abrir a geladeira e pegar o teste e ele lá com aquela cara, só esperando eu dar vexame. rs

Doer não dói, mas arde um pouco no final. Três dias depois a gente tem que voltar lá pra enfermeira medir (com uma régua mesmo) o tamanho da reação. O meu deu 0,5 mm, resultado negativo!

No dia eu tinha esquecido minha carteira de vacinação, daí a enfermeira me mandou levar no dia da leitura, porque eles colam nela um adesivo referente ao teste, como se fosse uma vacina.
A enfermeira aproveitou pra ver se minhas vacinas estavam em dia, porque a gente precisa de algumas vacinas pra entrar nos EUA. Ela me falou da de febre amarela e da tríplice. Cheguei em casa e vi que a tríplice estava ok, mas febre amarela tinha só uma e deviam ter duas, já que a gente tem que tomar a cada dez anos e eu tenho 25. Então no dia seguinte a aplicação do teste eu voltei ao posto e tomei a vacina de febre amarela. 

A minha médica assinou no formulário médico que o resultado foi negativo e eu anexei o resultado junto. Entreguei tudo no dia em que eu peguei o kit visto. 

Quanto aos preparativos, estou começando a me organizar, pensando no que eu preciso fazer, o que preciso comprar. Vou fazer uma lista hoje acho, com tudo tudo. 
Vou começar a me despedir das pessoas também. Eu penso que está cedo, que eu queria me despedir bem na hora de ir. Mas é TANTA gente, que se eu deixar pra última semana não vai dar tempo. Algumas pessoas moram longe, vou ter que viajar, então melhor já começar a me programar. 
No casamento do meu primo dia 20 eu verei grande parte da família, mas eu quero passar alguns dias com algumas pessoas também.

O face ainda não saiu! Confesso que estou enrolando rs eu tenho aversão ao face, as pessoas olhando minha vida, xeretando aonde estou e fazendo o que. Eu sei que dá pra bloquear, mas me incomoda até a pessoa ver só minha foto rs Mas eu sei que é uma necessidade agora que vou viajar. Assim que eu fizer eu aviso.

Continuem comentando, sintam-se livres pra perguntar qualquer coisa e até o próximo post!

Bjos

Gente, como a questão da vacina pode ser a dúvida de muitas, achei esse site que explica o porque é importante estar com as vacinas em dia! 

The First Visit To Consulate

Bom dia/ Boa tarde/ Boa noite!

Por mais que eu tente, o título do post não me permite muito suspense: I GOT MY VISA!!!! 

Mas vamos por partes né? A Cultural Care te dá um prazo pra agendar o visto, para que haja tempo suficiente do passaporte chegar na sua casa sem dor de cabeça. Eles me aconselharam a marcar entre o dia 07 e o dia 14 de junho. Como eu tinha o casamento em São José dos Campos dia 15, marquei tudo para o dia 13 e 14. São dois dias porque agora o consulado americano dividiu as tarefas: no primeiro dia você deve ir ao CASV - Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto- aonde eles tiram sua foto e colhem suas digitais; e no segundo dia é que rola o terror! A ENTREVISTA! rs

Estava tudo lindo até que eu fiquei doente. Então você que leu os posts em que eu contei como estava doente e angustiada, acrescente ao meu desespero a data da entrevista se aproximando e eu parecendo um zumbi. Eu não sabia se chorava pelo casamento que eu poderia perder, pelo visto, por estar sem dormir, por achar que ia morrer....o que eu sei é que eu chorei um tsunami de lágrimas!
Liguei na cultural care e expliquei a situação. Achava impossível fazer a entrevista, eu mal falava, não pensava e estava até meio surda, era ir e rasgar o dinheiro. As meninas foram muito legais, mas me disseram que eu deveria marcar no máximo pra segunda e terça então. HONESTAMENTE e em off, acho que o prazo deles é exagerado, pra não correr risco, pq o prazo pra entrega do passaporte são 10 dias úteis e eu viajo em mais de um mês. Mas não acho que eles estão errados, porque a gente nunca sabe quando vai ter vaga pra entrevista ou se vai dar rolo né? Com mais tempo você tem até a chance de tentar de novo se a primeira tentativa for negada.
Como vocês sabem, eu melhorei, eu estou viva! Consegui atrasar minha visita ao CASV e ao consulado em 4 dias. 

A cultural care mandou um email explicando todo o procedimento, como agendar, como preencher, o que escrever. Segue o esquema então! Mas eu sei que na net tem vários posts sobre como preencher o DS, então é só procurar! Eu não indico nenhum porque eu usei só o email mesmo. 

Marquei minha visita ao CASV pra segunda de manhã. ERRO! Os funcionários não estavam todos presentes ainda, mas a galera toda já estava lá. Resultado: fila e muita demora. Fiquei no CASV uma hora, quando muita gente diz que fica 20 minutos. Não adianta chegar mais cedo que eles não deixam entrar antes do seu horário. E o CASV da Vila Mariana é muito quente, todo fechado, sem ar e com muita gente!
O procedimento em si é rápido e foi um mocinho muito simpático que me atendeu.

Na parte da tarde fui na Cultural Care buscar o KIT VISTO, que eu achei que era O KIT VISTO, mas é só um envelope com dois documentos que a gente precisa apresentar no consulado e um livro rs

A entrevista estava marcada pra terça-feira, 18 de junho, 12:10. Minha tia mora bem longe do consulado, então optamos por sair cedo. Devido aos problemas com o trânsito de SP, que a gente nunca sabe como vai estar, optamos por ir de metrô e trem até lá perto e então pegar um táxi. Foi bem tranquilo, levou em média uma hora para chegarmos, então 11 horas eu estava lá.

É uma bagunça! Todo mundo na porta, tentando se organizar em fila pelos horários...Mas só entra mesmo quando o cara do portão chama o seu horário. Se você não estava na fila, mas seu horário é aquele, você entra, o que importa é lá dentro. Então não adianta chegar muito cedo.

Quando a gente entra entrega os papeis do KIT visto e o passaporte e vai pra uma fila. Espera a sua fila ser chamado, passa pelo detector de metais. CELULAR NÃO ENTRA NEM DESLIGADO, SEM BATERIA, MORTO OU DESPEDAÇADO! Eu deixei tudo com a minha tia, mas tem vários guarda volumes na rua do consulado. 
Depois do detector a gente fica tudo espalhado, esperando chamar pelo nome, pra então entrar na fila. É um pátio aberto, com os guichês, então já ia dando pra ver qual cônsul parecia legal.
Aqui eu já estava muito nervosa. Conversei com muita gente pra me distrair, mas sei que tem gente que prefere ficar quieto. Graças a Deus, a famosa japonesa não estava lá! =)
Fui encaminhada pra um guichê com um cônsul carequinha, por volta de uns 35 anos, branquinho, super simpático e rápido. Faltando uma pessoa pra minha vez ele saiu pra almoçar.

Entrou uma consulesa mais velha, simpática, que fez mil perguntas em português pra menina que foi antes de mim. A menina estava só renovando e a mulher perguntou MUUUUITO. Quando chegou a minha vez a entrevista foi toda em inglês, mas ela foi MUITO simpática. Duas vezes eu não ouvi mesmo o que ela disse e ela respondeu numa boa. Não olhou nenhum dos meus papéis.
Não lembro o dialogo exatamente, mas ela basicamente perguntou:
- Aonde eu estudei inglês;
-Quantas anos eu tenho;
-Data do meu aniversário;
- Quando me formei: respondi e disse que era advogada;
- Ela perguntou se eu tinha um trabalho: eu disse que sim. Mas hoje em dia eu não advogo mais, renunciei meus processos.
-Se tem uma família me esperando: respondi que sim e já falei sobre eles. 
- Perguntou o que eu faria se eu estivesse no parque e uma das meninas caísse na água: eu ligo pro 911! rs
- Perguntou se tem um quarto pra mim na casa. Eu disse q sim, q era exigência do programa. Ela disse que por isso q estava perguntando(sorrindo).
- Perguntou quanto tempo eu queria ficar: falei q um ano, pq eu precisava voltar pra trabalhar. Eu não menti! Quando eu voltar vou ter que trabalhar, só não vai ser como advogada uai rs

Com a mesma simpatia e calma ela disse que meu visto tinha sido aprovado, que eu ia receber o passaporte em casa e me mandou aproveitar o ano. Eu perguntei o nome dela, não entendi, e falei pra ela aproveitar meu país. Fim. Nem doeu! rs
Liguei pro meu pai pra contar e ele "Ah que droga, eu tava torcendo p ser negado". Falou rindo, disse que era brincadeira, mas eu sei que é um pouco de verdade. Ele tá me apoiando, mas sei que está fazendo isso com o coração na mão por saber que vou ficar longe. MAS EU VOLTO, PAI! 

DICAS:
- Respire;
- Confira todos os seus documentos mil vezes! Não vá esquecer nada! Leva tudo numa pasta, não em envelope. VAI QUE CHOVE, MENINA!
- Respire de novo;
- Responda o que lhe perguntarem! Algumas vezes eu acho que falei demais, pq eu sou assim. Mas pode parecer que você não está entendendo e está falando tudo o que sabe.
- Nem passe pelo portão com celular. Eles vão te mandar sair, vai dar um rolo e isso causa um stress desnecessário. Não leve, deixe com alguém ou coloque num guarda volumes. Um casal atrás de mim tentou entrar com o celular desligado e foi tratado como terrorista quase. 
- RESPIRE!!!!

Eu só fiquei nervosa mesmo no dia do CASV. Foi quando eu percebi que o negócio era sério. Fiquei com medo de olharem meus papéis, de negarem...mas deu tudo certo. No tempo que eu estava lá não percebi nenhum visto negado. Vi um moço pegando o telefone do guiche, mas pode ser que o som estivesse ruim e só. Com a economia em baixa, eles querem é que a gente vá pra lá gastar! rs
Depois do visto eu não fiquei feliz, não chorei...eu acho que eu tava tão nervosa que fiquei chocada, então precisei de umas três horas pra ficar....



Na verdade, era o visto que eu queria esperar sair pra contar do match. As pessoas que me conhecem não sabem do blog, então contar aqui só pra vocês não faria mal, sei que as au pairs aqui estavam torcendo por mim. Mas pra algumas pessoas que me conhecem eu queria contar só com o visto aprovado, porque um conta pro outro e eu não queria gente ruim torcendo contra minha viagem. Daí não me senti confortável em colocar na rede sem ter contado pra alguns amigos e familiares. Vocês entendem, né? Desculpa de verdade não ter contado antes, eu sei que vocês estão torcendo por mim faz tempo. Mas eu me senti menos pressionada assim. 

ENFIM, AGORA O BAGULHO É SÉRIO! Dia 28/07 eu embarco pros States! Eu vou morar em NY! Eu tô CHOCADA!!!!hahahaha

Obrigada pela torcida e continuem de olho que eu vou tentar postar tudo que eu conseguir!!!

Bjos!

PS: Meninas, tenho respondido os comentários pelo gmail, já que no blog não consigo. Vocês recebem as respostas? Por favor me avisem! 

The First Big Cliche: I Have A Match!

Pois é, meninotas!

E meu match saiu já tem um mês! Mas eu não contei nada porque eu queria que as coisas estivessem bem certas antes de contar pra minha família toda.
A minha host family foi a sexta família a aparecer no meu perfil. São duas meninas, de 3 e 1 ano, apenas a mais velha vai a escola. Pai e mãe trabalham fora, mas ocasionalmente ficam em casa. A avó paterna é da República Dominicana e fica parte do ano lá e parte do ano nos EUA, em um apartamento em baixo da casa. 
O quarto é como um loft, tem tipo uma salinha antes, mas não tem banheiro. Não achei ruim, honestamente. Se eu tivesse banheiro era só mais um pra limpar, além do das meninas. E dividir banheiro com kids é melhor do que com teens né? rs
Desde a primeira conversa a mãe pareceu muito coerente e sincera, mesmo quando a resposta não podia ser agradável. Eu serei a primeira au pair deles, então percebi que ela sempre deixou claro que tudo é uma questão de confiança...eu vou provando quem eu sou, ela vai me dando mais espaço. 
Ela sempre foi muito atenciosa, respondia meus emails muito rápido, mesmo que eles tivessem mil questões. E olha, eu fiz muuuuuuita pergunta!!! Ela me mandou só um email com perguntas e já marcamos o skype.
Foi ótimo! A mais velha cantou pra mim, perguntou se eu ia de avião, fez gracinha...teve uma hora que ela falou alguma coisa, eu não entendi e devo ter feito cara de "hã?", porque a host disse "eu não entendi o que ela disse, então você não precisa entender". E não é que a menina caiu na gargalhada? Ela tava fazendo gracinha e me trollando rs
Já nesse primeiro skype (já tinhamos trocado uns 10 emails) a host disse "Eu não tenho mais perguntas, não sei se você ainda quer falar com outras famílias, mas pra mim você é a menina. Pensa e me responde até quarta". 
COMO ASSIM? É a au pair que fica esperando, não a família! hahaha
Mas bateu aquele medão...ai será que são eles? Porque eu estava muito animada com a família hindu...Depois de conversar com todo mundo, inclusive com a au pair da família hindu e com a host hindu, decidi não trocar o certo pelo mais que duvidoso.

Na quarta estavamos no skype e nem sinal da mulher falar nada, conversamos normal, sobre tudo. Foi quando ela começou a falar algumas coisas tipo "quando você chegar...vamos te levar p esquiar...você vai conhecer sei lá o que...amanhã falarei com a agência...". Tive que interromper né? Perguntei "Então temos o match?" e ela "siiim, temos o match!"

E desde então eu tenho ido atrás das coisas, logo, tenho assunto pra colocar em dia aqui! rs

AH! Esqueci de dizer de onde eles são, né? Dicas: maça, Sinatra, Alicia, Ivete, Estatua, S2, Friends,  Ilhas, JFK, Sex and City, Park....
Sim, amigas, eu vou pra....


Sabe aquilo de não cuspir pra cima? Pois é, eu estava com medinho de morar em NY, porque é pior que SP...e até me fiz de difícil com a família, ia perguntando de cara aquelas coisas mais chatas. Mas eles foram me conquistando, moram em Staten Island que é um distrito de NY mais tranquilo (são 5: Manhattan, Bronx, Brooklyn, Queens e Staten Island) e eu acabei topando. 
Eu sei, muita menina quer NY...e eu caí lá de paraquedas! rs

Acho que hoje eu já falei demais! Mas logo eu volto contando mais coisas! 

Bjoooos

PS: teclado master zuado e me irritando, então desculpem os erros e a falta de acentos! Bjo!

The First Out Of The Subject

Oi meninas!
Tudo bem por aí?
Hoje vou contar pra vocês da minha semana e sobre au pair mesmo tem só uma reflexão no final, mas é pra vocês entenderem minha semana caótica rs

Aqui as coisas começaram a melhorar. Sabe quando você acha que não tem como piorar e aí piora muito? Então! rs
A última vez que eu postei foi segunda e eu tinha dormido muito mal. Mas na madrugada da terça e da quarta eu simplesmente NÃO DURMI. Remédio, injeção, inalação, soro comum, remédio de espirrar no nariz...nada adintou, meu nariz ficou um dia totalmente tapado, eu não aspirava e nem expirava. Ficou impossível dormir, porque eu sufocava. Chegou uma hora que respirar pela boca não adiantava mais
Na quarta eu estava desesperada!!! Chorava o tempo todo, meu pai estava quase matando um de nervoso e minha mãe super aflita. Eu achava que não tinha solução, porque tudo possível tinha sido feito.
Fomos ao médico e ele pediu raio-x. 

Pausa para a explicação: nós temos cavidades faciais chamadas seios paranasais, são 6. Quando a pessoa tem sinusite um ou dois estão congestionados e inflamados. 

Adivinha! Eu estava com todos congestionados! E sem febre e nem dor. A gente acha febre ruim, mas ela é sinal que o corpo está reagindo...e no meu caso, zero.
Achei que ia ser internada, que era pneumonia, mas era só pansinusite (ferração suprema) e o médico me disse que eu tinha que ter paciência e esperar, me receitou mais mil coisas e eu voltei pra casa acabada.
Ficar sem dormir é a pior tortura de todas!

Na quarta a noite eu tive a idéia de colocar uma bolsa térmica quente no rosto e acho que aí a coisa começou a melhorar!

O problema é que eu tinha compromissos em SP quinta e um casamento ontem. Então eu fui entrando em desespero, sabe? Porque eu PRECISAVA MELHORAR! Mas não teve jeito, desmarquei as coisas em SP, tive certeza que estava bem e fui pro casamento. 

Acho que foi minha primeira despedida, foi um casamento de um amigo de facul  então vialguns amigos que eu provavelmente não verei de novo antes de ir pros States =/ 
Mas foi simplesmente mágico estar lá e ser madrinha. Eu realmente me senti honrada e não podia perder. O Pedro é um dos meus best, alguém que sempre tinha uma palavra pra me acalmar, me ajudar e me aconselhar. E a Patrícia, a esposa, é maravilhosa, gentil, doce, educada...Enfim, eles me fazem acreditar que algumas pessoas são perfeitas para as outras. Chorei horrores no casamento e aproveitei muito a celebração desse momento mágico na vida do meu amigo. FELICIDADES SUPREMAS AO CASAL!!!

Novamente, me pego pensando no ano que passarei fora e em como a vida vai continuar aqui. Mas sem medo ou tristeza. Meu amigo me disse ontem "Não acaba aqui! Não acabou na faculdade e não acaba aqui! é pra sempre! Você tem que conhecer minha casa e madrinha é pra vida toda!". E a mulher dele disse a mesma coisa "Madrinha é pra sempre, se ele estiver me irritando vc bate nele pra mim" rs

Acho que manter relacionamentos é sempre uma escolha. Sim, eu passarei um ano fora e longe, mas graças a Deus eu estou cercada por amigos e familiares que fazem algo muito bem: compartilhar.
Por mais piegas que seja, eu estarei longe fisicamente, mas parte do meu coração ficará aqui e eu acompanharei todos eles, assim como eles me acompanharam e torceram por mim. Sabe aquilo de amar e deixar livre? Pois então, eu amo e sei que sou amada, e isso não muda conforme nossa localização!

Meninas, espero ter novidades em breve! Obrigada pelos votos de melhora! Eu sobrevivi! rs

Mandem notícias! Tem muito blog abandonado por aí!

Beijão e boa semana!


The First Time that I Had Doubts

Oi? Tem alguém aí?
Espero que alguém não tenha desistido do meu blog!
Não é desculpinha, gente, mas eu fiquei beeem doente. Lembram que depois do feriado eu postei falando que tinha ficado de cama? Isso foi segunda-feira passada...A semana foi passando e eu tava como que com uma gripe leve. Na quarta até fui dar uma voltinha com um amigo meu...
Na sexta eu acordei cansada, mas nada que parecesse gripe, parecia cansaço mesmo. Lá na escola a professora até comentou que eu tava com uma carinha de cansada. 
Na sexta a noite eu já tava chorando. Meu pai já estava insistindo pra eu ir ao médico e eu estava resistindo, mas na sexta a noite eu que queria ia. 
Fui, morrendo de medo de tomar injeção, mas fui! Cheguei lá o médico ouviu o pulmão, olhou a garganta e fim. Pronto Socorro é assim né gente?
Comecei a tomar antibiotico e antiinflamatório na sexta mesmo...e não adiantou nada!Muita dor de cabeça e pra vocês terem uma idéia, foram dois rolos de papel higiênico e duas caixas de lenço. Voltei a ser criança e fiz inalação.
Essa madrugada eu tava fazendo inalação uma da manhã. Aí eu liguei pro meu pai chorando (ele trabalha em outra cidade) e ele mandou minha tia me pegar e me levar pra um médico.
Meu choro é porque sábado eu tenho um casamento de um grande amigo de faculdade e eu serei inclusive madrinha. Daí eu pensei "fodeu! vou perder o casamento do meu best!", porque eu tava tão mal q só ficava deitada. 
Tomei injeção, estou tomando um antibiotico cavalar e estou miraculosamente melhor. Mas não vou negar que nessa bad de sinusite me fez pensar "Quem vai cuidar de mim na América?".
O que eu acho que me fez duvidar MESMO foi o fato de eu não melhorar, cheguei a cogitar H1N1, porque eu dificilmente fico doente. Então eu meio que me apavorei. Nesses dias eu não levantava pra quase nada, porque minha cabeça parecia quadra de escola de samba no mês do carnaval.
Mamãe fazia comida, papai buscava remédio, irmãozinho trazia tudo o que eu pedia e vinha ficar no quarto comigo só pra eu não ficar sozinha, irmãzinha preocupada de longe. AH! E não posso esquecer das minhas dogas que foram companheiras fiéis (se alguém comentar que elas podem ter piorado meu caso já aviso que perco amizade, quase desliguei o tel na cara da minha irmã quando ela cogitou isso rs). 
Mas....E nos States? Com sorte eu tranco os gatos comigo no quarto, mas depois vou ter que limpar as cacas!
Bom gente, realmente ficar doente é uma bosta!(ops!) Só que não me faria desistir da viagem. Porque por mais ruim que possa ser, que as coisas possam dar errado, que eu possa ficar doente, é uma tentativa de mudança. E, indubitavelmente(adoro essa palavra), vai ser uma experiência que vai me acrescentar muito, para o bem ou para o mal.
A idéia de ficar mais um ano advogando me dá calafrios. Quando eu voltar eu espero estar falando inglês de verdade e fazer alguma coisa com isso, pra ganhar algum dinheiro e bancar outra facul.
Então foi uma dúvida que bateu, mas em momento algum eu pensei "cancela isso daí, para o mundo que eu vou descer!!!". 
De qualquer forma, achei importante falar disso com vocês, porque pode ser que em algum momento vocês passem por algo assim. Agora vocês sabem que acontece nas melhores famílias! =)
Aliás, alguém já teve dúvidas? Põe na roda! rs

Gente, eu ainda não tenho facebook (é, se segura na cadeira senão o susto derruba!)...Mas em breve farei e vai ficar mais fácil conversar. Mas se alguém precisar conversar sobre o processo, estou a disposição. Eu sei que a gente meio q vive disso durante um tempo e quer muito conversar com as pessoas sobre!

Vou tentar não sumir de novo gente! rs

Bjooos

UPDATE: Gente, eu sem dormir a um dia por conta de nariz entupido, lavando até a alma com soro fisiológico, nada resolvendo pra melhorar, tive uma ideia. Chamei meu irmão e virei de ponta cabeça por 5 segundos pra jogar soro. Choquei, nem precisei do soro! COMO QUE NINGUÉM ME FALOU ISSO ANTES? Tô até com a cara vermelha de tanto fazer força pra assoar o nariz (que é um dos principais gatilhos pra derrame, CHOQUEI 2). Então, apesar de ser um assunto nojento, fica a dica! hahaha


The First Internacional Permission To Drive

Oi meninas!

Depois de um feriado que prometia ser tudo de bom, mas se resumiu a 4 dias de cama com uma gripe das galáxias, here I am! 

E hoje para falar da PID! Sim, todas precisamos dela, independente do Estado em que iremos viver nos States. A Cultural Care pede que a gente tire a PID só depois de fechar com a família, mas como eu tenho algumas complicações, me adiantei. 

Vou explicar! O Detran detalha muito bem o que precisamos fazer pra conseguir a PID AQUI.
São dois caminhos: solicitar e receber pelo correio ou pedir e retirar pessoalmente. 

Quando você tira carta é criado uma "pasta" sua no Detran, que fica na cidade aonde você tirou a carta. Eu tirei carta em uma cidade que eu não moro mais e meu arquivo está lá, com meu endereço antigo.

Se eu optasse por receber pelo correio a PID seria enviada pro meu endereço antigo, em Franca. Pra eu atualizar meu endereço eu teria que pedir a transferência do meu arquivo para a cidade aonde eu moro agora, o que demoraria e custaria muitas Dilmas. Para mudar meu endereço para o endereço de alguém em Franca que pudesse receber a PID para mim eu teria que colocar o da casa aonde vive um amigo, que é aonde vive também meu ex namorado, daí melhor ser au pair na Holanda e andar de bicicleta. Pedir pessoalmente em Franca também sairia caro, porque eu teria que ir até lá duas vezes (solicitar e buscar a PID).

E quando eu já estava triste, desanimada, sem vontade de cantar uma alegre canção, eu lembro do Poupatempo. Olha, o Governo do Estado de SP é uma droga desde sempre...mas o Poupatempo é uma coisinha linda de DEUS! São vários serviços unidos, numa velocidade incrível. 
Na minha cidade, renovar a carta pode levar um mês...lá leva um dia =)

Tem um em Ribeirão Preto, aonde meu pai trabalha. Cheguei as 10, tirei xerox da CNH, as 10:10 fui atendida, paguei a taxa (R$ 213,07) e fim, dois dias depois ficou pronta. Mas eu ainda não tive tempo de buscar, meu pai vai pegar pra mim amanhã.
Eles não tiraram outra foto, é igual a da CNH. O que eu amei, porque eu tinha tomado chuva e a foto ia ficar péssima rs

Graças a Deus não me pediram comprovante de residência, então não tive problema nenhum para pedir a PID. 

Detalhe importante: a PID tem a mesma validade que a sua CNH. Então, se a sua CNH for vencer durante seu intercâmbio, você precisa renova-la antecipadamente ou deixar tudo preparado para alguém fazer isso por você.
Eu acho melhor renovar antecipadamente, assim você não corre o risco de ficar algum tempo sem a PID, certo?

Bom, acho que é só isso sobre a PID =)

Bjooo

Tecnologia do Blogger.

Followers

Blog contents © Au pair 2013! 2010. Blogger Theme by NymFont.